VadeMecum

VadeMecum

publicado em 13/01/2014 às 08h56
Pimenta nos olhos dos outros é refresco: futuros médicos reprovados em exame de suficiência vão poder exercer profissão

pimenta1 Esta é uma notícia do final ano passado, mas só agora eu a vi. Trata-se de uma avaliação promovida pelo CREMESP - Conselho Regional de Medicina de São Paulo - similar ao Exame da OAB, em que mais da metade dos candidatos são reprovados, em uma prova considerada de fácil a mediana, cujo impacto no andamento da carreira é nulo: a avaliação é pró-forma. Confiram a reportagem do Jornal Nacional clicando no link abaixo: Dos 2400 formandos do estado que fizeram a prova, 54,5% não atingiram a nota mínima, e isso rendeu um comentário interessante do presidente do Conselho Regional de Medicina-SP, Renato Azevedo Júnior:

“É uma prova de nível fácil para médio. Aquele aluno que não consegue acertar 60% de uma prova desse tipo tem sérios problemas na sua formação e vai ter dificuldades para atender as pessoas”

Eis a pergunta que não quer calar: averiguar a proficiência do futuro médica não interessa à população? Trata-se, evidente, de uma outra área, distinta da advocacia em todos os pontos de vista, exceto um: o risco social. Medicina, advocacia, engenharias são ofícios que, quando mal executados, geram u risco REAL aos indivíduos e à coletividade. Hoje o Exame de Ordem é o que é porque no início da década de 90 a OAB anteviu o atual quadro de expansão desmedida do número de faculdades e modificou o formato do Exame, instituindo o modelo atual. Foi em razão da força da entidade e de seu lobby que hoje temos a prova. Os demais conselhos (tirando aí o de Contabilidade) quedaram-se inertes, assim como também, em especial, o Legislativo Federal, e as outras profissões não têm um sistema parecido de avaliação. Todos os examinandos, desde sempre, acham isso uma grande injustiça. Será que um dia esse quadro vai mudar? A depender do nosso legislativo, não! No final de novembro do ano passado, a Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) do Senado Federal aprovou projeto que institui exame nacional de proficiência em Medicina como requisito para o exercício da profissão de médico no país. O PLS 217/2004, do ex-senador Tião Viana (PT-AC), agora seguiu para a Comissão de Assuntos Sociais (CAS), em caráter terminativo. O texto original previa que o estudante graduado em Medicina deveria passar por um exame nacional de proficiência para adquirir o registro profissional e exercer a profissão. Após audiências públicas para instruir a proposta, o relator na CE, senador Cyro Miranda (PSDB-GO), apresentou substitutivo inacreditável ao projeto original. O novo texto estabelece que o exame seja realizado em duas etapas, sendo a primeira ao final do segundo ano curricular e a segunda ao final do curso. E que a aprovação somente seja exigida nos casos de revalidação de diploma estrangeiro, sendo o registro profissional dos demais estudantes apenas condicionado à participação na prova. Ou seja: estão criando uma prova que não avalia nada, exceto os médicos estrangeiros. Para que esse PLS então? Os bacharéis em Direito e os formados em Contabilidade continuarão sozinhos nessa "empreitada", enquanto os demais profissionais ganham essa "passada de mão na cabeça". Lastimável! Com informações da Agência Senado.



FIQUE POR DENTRO
RECOMENDAÇÕES DO BLOG

Cursos, Treinamentos & Produtos

11 ANOS DO
BLOG EXAME DE ORDEM