Aniversário JUS21 - 35% de desconto em todo o site

Aniversário JUS21 - 35% de desconto em todo o site

publicado em 16/11/2018 às 12h18
Estratégia para a prova objetiva do XXVII Exame de Ordem

Como responder a prova objetiva da OAB? Esse questionamento é muito importante e passa pela cabeça de todos os candidatos.

A resposta a esta pergunta nasceu da minha experiência pessoal: por fazer várias vezes a prova a sistemática foi consolidada e, ao longo do tempo, provada por milhares e milhares de examinandos.

Ou seja: adotar uma estratégia não só funciona como é efetivamente útil!

De acordo com a própria OAB, a zona limítrofe de aprovação, em que pouquíssimos pontos representam o sucesso ou o fracasso representa nada mais, nada menos do que 22,28% dos inscritos.

Todas as questões de Ética da OAB separadas por TÓPICOS

Os candidatos que fazem de 35 a 39 pontos representam 1/5 de todos os candidatos que fazem a prova! O que se pretende dizer com isso? Que um vacilo, uma desconcentração ou um pequeno esquecimento pode comprometer o sucesso de qualquer candidato: todo ponto conta para a aprovação!

 

Reduzindo em até 50% a chance de erro em uma questão da OAB

Chute X lógica jurídica na resolução das questões complicadas da OAB

Como combater o esquecimento na hora da prova da OAB?

Adotar uma estratégia representa maximizar o desempenho rumo aos 50% necessários para a provação na primeira etapa, ou seja, 40 pontos.

Vejamos agora um guia estratégico escrito para ser usado na hora da prova.

Como responder a prova objetiva da OAB?

1 - Marcando o caderno de prova

É interessante para o candidato imprimir uma linguagem própria na hora de resolver a prova, visando estabelecer parâmetros indicativos do que já foi feito e do que resta resolver, buscando a otimização do tempo e evitar possíveis erros.

Vejam a imagem abaixo, referente a uma questão da OAB:

Como responder a prova objetiva da OAB

Após ler o enunciado, o candidato imediatamente se debruça sobre as alternativas. Nesse processo de cognição, ele estabelece se a alternativa sob análise é a mais adequada ao problema proposto no enunciado.

O 1º passo é estabelecer o grau de completude que a alternativa oferece em relação ao enunciado. Dessa forma, ao lado das alternativas C e D, foi marcado um pequeno "X" indicando que aquelas duas alternativas, na visão do candidato, estão erradas.

Como responder a prova objetiva da OAB

Na sequência do processo decisório, o candidato aponta, com setas (letras A e B), as alternativas que, sob sua ótica, são as mais adequadas como respostas ao enunciado.

Como responder a prova objetiva da OAB

Tomada a decisão, no caso a letra "B", o candidato marca o famoso "X" na letra escolhida e, ao lado da questão escreve "OK!", sinalizando para si mesmo que aquela questão está resolvida de forma definitiva.

Como responder a prova objetiva da OAB

Caso a certeza quanto ao enunciado correto não for obtida, o candidato não marca o "X" e, ao lado da questão, marca uma interrogação, devendo ir para a próxima questão. Ele só retornará quando terminar o resto da prova.

Agora, qual é a finalidade desse procedimento?

Ao abordar uma questão vocês podem se deparar com 3 possibilidades:

A) Certeza quanto a resposta correta;

B) Dúvida entre duas alternativas;

C) Ignorância completa quanto a resposta.

Se você tem certeza quanto a resposta correta, responda a questão, marque o OK para sinalizar que ela foi resolvida e ignore-a completamente até o momento de passar as resposta para a folha de resposta. O OK é um sinal para você se despreocupar com a questão.

Se há dúvida quanto as alternativas, a "?" indica que você, após resolver as demais questões, deverá voltar para aquela questão na tentativa de achar qual é a alternativa correta e, então, tentar finalizá-la. O símbolo da interrogação, grande (assim como o OK) funciona como um farol na prova: rapidamente você encontrará as questões que deverão ser novamente analisadas.

E aqui vemos a relevância dos pequenos "X" e das setas.

Quando você retornar para a questão a ser reanalisada, não vai perder tempo com os itens anteriormente descartados. Vai se concentrar somente nas alternativas cuja a dúvida quanto a exatidão existe.

As 12 ciladas da prova objetiva da OAB

Vejam que o processo cognitivo e de avaliação prévio já foi feito. Vocês já declinaram um certeza PARCIAL sobre o enunciado. A reanalise é para finalizar o processo de escolha

Eis então a finalidade do procedimento: ajuda a raciocinar, indica o que já foi feito, o que tem de ser resolvido, poupa o precioso tempo e evita confusões e potenciais erros.

Desenvolver um padrão de marcação funciona, na prática, como um mapa para o candidato: ele sabe o que já viu, o que já fez e o que falta fazer, de forma simples, fácil e objetiva.

Guia Estratégico da Prova Objetiva da OAB - XXVI Exame de Ordem

E fazer isso, questão após questão é algo simples, rápido e não consome tempo.

Em suma: compensa, e muito, fazer!

2 — Resolvendo as questões

Ao resolver as questões, deve-se atentar para os seguintes pontos:

a) O candidato não deve sair riscando a prova indiscriminadamente. Se for marcar uma assertiva que julga correta, deve fazer apenas um ponto ou uma seta. Deixe aquele “X” apenas para quando a convicção sobre a resposta for absoluta, tal como mostrado mais acima. Isso evitará qualquer confusão.

b) Não se deve perder tempo com questões muito difíceis, ou que a dúvida entre uma ou outra resposta seja quase insuperável. As questões dessa natureza devem ser deixadas para o final. O tempo desperdiçado durante a prova em uma questão dessa natureza pode fazer falta.

c) Um círculo deve ser feito em torno das seguintes palavras: correta, incorreta, certa, certos, errada, sim e não. Tais termos determinam muitas vezes o sentido da resposta e não raro o candidato se confunde com o sentido da própria resposta exigida, o que inexoravelmente o conduzirá ao erro.

Essa questão do correto e do incorreto é muito importante para vocês. Prestem realmente atenção neste ponto!

d) Os termos “sempre”, “jamais” e “nunca” quase sempre estão associados com assertivas cujos enunciados estão errados. Generalizações no Direito são perigosas e no Exame de Ordem quase sempre pontuam assertivas errôneas.

Outro ponto importante guarda correlação com a preparação na véspera da prova. Muitos perguntam se compensa estudar no sábado.

Não existe uma resposta certa para essa pergunta. Estudar no sábado pode ser bom, não estudar também.

Muitos candidatos que já passaram consideram que não se deve estudar, exatamente para ocupar vossas mentes com algo muito importante: a concentração.

Mas se forem estudar, vão duas dicas importantes: (1) procurem não se desgastar, de modo a comprometer suas condições cognitivas no momento da prova; (2) procurem trabalhar com informações de caráter mais arbitrário e menos lógico, tais como os prazos processuais ou as competências privativas da União (art. 22 da CF), no sentido de mobilizar para estas a memória de curto prazo.

Na véspera da prova o examinando deve se concentrar. Pensar na prova, como vai abordá-la, afinar a estratégia de resolução, mentalizar as dicas acima caso o nervosismo apareça e trabalhar muito o emocional.

Em suma: entrar no clima da prova!

Lembrem-se de que as dicas acima não são exaustivas. Outras podem ser criadas.

De toda forma, o ideal é não ficar nervoso, exatamente daí decorre a importância de se concentrar: a busca de um foco, de um ponto de equilíbrio onde a razão pode encontrar seu sustentáculo e a prova passe a ser novamente o que ela efetivamente é e nunca vai deixar de ser: só uma prova!

*Texto escrito em co-autoria com o Dr. Rogério Neiva, juiz do trabalho e criador do sistema de gerenciamento de estudos Tuctor.



FIQUE POR DENTRO
RECOMENDAÇÕES DO BLOG

Cursos, Treinamentos & Produtos

11 ANOS DO
BLOG EXAME DE ORDEM