Advocacia

Software de banco faz em segundos um trabalho que tomaria 360 mil horas de advogados

Banco JP Morgan

O Banco JPMorgan desenvolveu um computador com capacidade de auto-aprendizagem capaz de analisar em segundos acordos financeiros que anteriormente mantinham equipes jurídicas ocupadas por milhares de horas ao ano.

O programa, chamado COIN, para o Contrato de Inteligência, faz a tarefa de interpretar acordos de empréstimo comercial que, até o lançamento do projeto em junho de 2016, havia consumido 360 mil horas do tempo de advogados durante um ano inteiro. O software revê os documentos em segundos, é menos propenso a erros e nunca pede férias.

Tornado possível através de investimentos pesados em computação e uma nova rede de nuvem privada, o COIN é apenas o começo para o maior banco dos EUA. A empresa recentemente criou centros de tecnologia para equipes especializadas em grandes dados, robótica e infra-estrutura em nuvem para encontrar novas fontes de receita, reduzindo despesas e riscos.

Por trás dessa estratégia, supervisionada pelo Diretor de Operações Matt Zames e pela Diretora de Informação Dana Deasy, existe uma ansiedade do próprio Banco. Embora o JPMorgan tenha saído da crise financeira de 2008 como um dos poucos grandes vencedores, seu domínio futuro está em risco se não buscar agressivamente novas tecnologias.

Software Redundante

Essa era a mensagem que Zames tinha para Deasy quando se juntou à empresa no final de 2013. Os sistemas internos do banco, baseados em Nova Iorque, um amálgama de décadas de fusões, tinha demasiados programas de software redundantes que não funcionavam juntos sem gerar problemas.

“Matt disse: ‘Lembre-se de uma coisa acima de tudo: precisamos absolutamente sermos os líderes em tecnologia em todos os serviços financeiros'”, disse Deasy semana passada em uma entrevista. “Tudo o que fizemos daquele dia em diante resulta daquela reunião.”

Depois de visitar empresas como a Apple e o Facebook há três anos para entender como seus desenvolvedores trabalhavam, o banco decidiu criar sua própria nuvem de computação – chamada Gaia -, que entrou em operação no ano passado. A auto-aprendizagem de máquina e grandes esforços de gestão de dados agora residem nesta plataforma privada, que tem efetivamente capacidade ilimitada para suportar sua sede de poder de processamento. O sistema já está ajudando o banco a automatizar algumas atividades de codificação e tornar seus 20.000 desenvolvedores mais produtivos, economizando dinheiro, disse Zames. Quando necessário, a empresa também pode acessar serviços de nuvem externos da Amazon, da Microsoft e da IBM.

Despesas tecnológicas

A JPMorgan disponibilizará parte da sua tecnologia baseada em nuvem a clientes institucionais no final deste ano, permitindo que empresas como a BlackRock acessem saldos, pesquisas e ferramentas de negociação. O movimento, que permite que os clientes contornem os vendedores e o pessoal de suporte para informações rotineiras é semelhante a um Goldman Sachs, anunciado em 2015.

O orçamento total de tecnologia da JPMorgan para este ano representa 9% da sua receita projetada – o dobro da média da indústria, de acordo com o analista Morgan Stanley Betsy Graseck. A cifra subiu ainda mais a medida em que a JPMorgan reforçou as defesas cibernéticas após uma quebra de dados em 2014, que expôs a informação de 83 milhões de clientes.

Um terço do orçamento destina-se a novas iniciativas, uma figura que a Zames quer levar para 40% em poucos anos. Ele espera economizar em automação e aposentar a velha tecnologia, permitindo a busca por mais dinheiro em outras inovações.

“Estamos dispostos a investir para ficar à frente da curva, mesmo que, em última análise, parte desse dinheiro vá para produtos ou serviços que não eram necessários”, disse Marianne Lake, chefe de finanças do Banco, em audiência de uma conferência em junho. Isso “porque não podemos esperar para saber o que o resultado, o final, realmente irá ser, porque o ambiente de negócios está se movendo rapidamente.”

No que diz respeito ao COIN, o programa ajudou a JPMorgan a reduzir os erros de manutenção de empréstimos, a maioria resultante de erros humanos na interpretação de 12.000 novos contratos ao ano, de acordo com os seus criadores.

O JPMorgan está buscando maneiras de implantar a tecnologia, que aprende através da interpretação de dados para identificar padrões e relacionamentos. O banco planeja usá-los para outros tipos de contratos legais complexos, como “credit-default swaps” e acordos de custódia. Algum dia, a empresa pode usá-lo para ajudar a interpretar os regulamentos e analisar as comunicações corporativas.

Outro programa chamado “X-Connect”, que entrou em uso em janeiro, examina e-mails para ajudar os funcionários a encontrar colegas que têm os relacionamentos mais próximos com futuros clientes potenciais, podendo assim providenciar as devidas apresentações.

Criando Bots

Para tarefas mais simples, o banco criou bots visando executar funções como a concessão de acesso a sistemas de software e responder a solicitações de TI, como a redefinição da senha de um empregado, disse Zames. Os bots devem lidar com 1,7 milhão de solicitações de acesso este ano, fazendo o trabalho de 140 pessoas.

Enquanto um número crescente de pessoas na indústria se preocupa com os avanços, temendo perder um dia seus empregos, muitos funcionários de Wall Street estão mais focados em benefícios. Um levantamento com mais de 3.200 profissionais da área financeira do grupo de opções da empresa de recrutamento no ano passado descobriu que a maioria espera que novas tecnologias melhorem suas carreiras, por exemplo, incrementando o desempenho no local de trabalho.

Para ajudar a estimular a comunicação interna, a empresa mantém o controle sobre 2.000 empreendimentos tecnológicos, usando cerca de 100 em programas-piloto que eventualmente se juntarão ao crescente ecossistema de parceiros da empresa. Por exemplo, o software de aprendizagem mecânica do banco foi construído com a Cloudera Inc., uma empresa de software que a JPMorgan encontrou pela primeira vez em 2009.

“Estamos começando a ver os verdadeiros frutos do nosso trabalho”, disse Zames.

Com informações do The Independent.

Maurício Gieseler

Advogado em Brasília (DF), este blog é focado nas questões que envolvem o Exame Nacional da OAB, divulgando informações e matérias atualizadas, além de editoriais, artigos de opinião e manifestações que dizem respeito ao tema. Colocamos, também, a disposição de nossos visitantes provas, gabaritos, dicas, análises críticas, sugestões e orientações para quem pretende enfrentar o certame. Tudo sobre o Exame de Ordem você encontra aqui.

Newsletter